Gaia prova que Menezes não pode candidatar-se


  1. A Câmara Municipal de Gaia decidiu pagar um anúncio/comunicado de meia página em jornais de grande circulação para atacar a candidatura de Manuel Pizarro à Câmara Municipal do Porto.
  2. O anúncio surgiu em resposta aos argumentos e números solidamente apresentados por Manuel Pizarro em entrevista na SIC Notícias
  3. Ao longo dos últimos meses, a Câmara de Gaia tem investido centenas de milhares de euros em publicidade e destacáveis em jornais de grande tiragem, promovendo a candidatura do seu ainda presidente a outra autarquia.
  4. O anúncio desta semana, que foi prontamente desmontado pelo PS Porto, confirma que uma autarquia está a utilizar ilegalmente (e imoralmente) fundos públicos para apoiar uma candidatura autárquica: a Câmara de Gaia pagou milhares de euros para publicar um comunicado que defende politicamente a visão do candidato Menezes, que mistura a autarquia de Gaia com uma central de campanha.
  5. Para além da Câmara de Gaia mentir na realidade criativa que apresentou, demonstra que a lei de limitação de mandatos só pode aplicar-se à função e nunca, como Luís Filipe Menezes defende em violação da lei existente, apenas ao território.
  6. Luís Filipe Menezes prova que a lei de limitação de mandatos tem de impedir não só o caciquismo mas também o clientelismo. Os juízes estão certamente atentos ao que a Câmara de Gaia tem feito: ironicamente, é a maior prova para fazerem valer a lei contestada por Menezes.