O rapaz da cavalariça













Em política, as más opções são fruto do livre arbítrio, os disparates são um azar ou uma tristeza, mas a falta de coluna vertebral é invariavelmente um desafio para a ciência. Nuno Cardoso enveredou pela via estudada por Darwin, aplicando-a às espécies mais fracas.

Perante a hecatombe do seu patrão nas sondagens, cuja candidatura já apoiara publicamente, decidiu anunciar uma «candidatura» sem rumo nem propósito, a destempo de tudo, fazendo dos portuenses idiotas úteis dos habituais esquemas do soba de Gaia.

Nuno Cardoso, que ganhou em 3 adjudicações carimbadas por Menezes o que o cidadão médio não ganha em duas décadas, podia ter tido um final mais feliz. Mas não. Decidiu fazer parte de uma estratégia deliberada de Menezes, falhada de tão óbvia, para roubar umas migalhas à candidatura do PS.

Merecia mais do que ser o rapaz da cavalariça.