Autocrítica

3 anos depois da austeridade redentora que iria limpar o país, a dívida pública subiu para 132,3%. Tudo falhou: PIB, desemprego, dívida, défice, tudo. Em desespero pré-eleitoral, Passos Coelho apareceu na campanha para as europeias e disse que não podemos aceitar uma política de ilusão. Três anos depois, perante o que vemos e sabemos, Passos Coelho fez um extraordinário exercício de autocrítica.