Sem medo

Há 9 anos, o Rui Bebiano e eu próprio promovemos um manifesto crítico das reacções dos governos europeus ao episódio dos cartoons de Maomé. O texto ainda pode ser lido em aqui e é uma inesperada homenagem aos que foram hoje executados em França pelas razões que então nos fizeram tomar partido. Sem medo, sem medo dos radicais, sem medo da apropriação da extrema-direita. Porque nós, Europa, se ainda tivermos alguma ideia de Europa neste continente em farrapos, então ainda sabemos que somos superiores a todos os totalitarismos. Sem medo.